12 de julho de 1975 – São Tomé e Príncipe declara a sua independência de Portugal

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
São Tomé e Príncipe
Fotografia: commons.wikimedia.org

O dia 12 de julho marca um evento muito importante na história de São Tomé e Príncipe porque os habitantes desse lugar celebram 46 anos desde quando ganharam a independência do seu país. Até 12 de julho de 1975, São Tomé e Príncipe encontrava-se sob o controle de Portugal, mas depois deste dia histórico, o país ganhou autonomia.

Como é que começou o domínio colonial de Portugal sobre São Tomé e Príncipe?

O país foi descoberto pela primeira vez pelos portugueses durante o reinado do D. Afonso V, no século XV. São Tomé foi descoberto no dia 21 de dezembro de 1470 pelo explorador português João de Santarém, e Príncipe foi descoberto um pouco mais tarde, no dia 17 de janeiro de 1471. Depois de terem explorado atentamente as ilhas, os exploradores concluíram que eram lugares favoráveis para criar uma base de comercialização com o continente.

Depois do ano 1500, os portugueses começaram o processo de colonização, embora as pessoas não quisessem ir para estas duas ilhas. Contudo, os portugueses enviaram para as ilhas colonos judeus e condenados, que tinham sido expulsos de Portugal. Devido ao solo da região, os colonos concentraram-se na agricultura e descobriram que o solo era muito favorável para a cultivação de açúcar. Como consequência, no século XVI, por um breve período, São Tomé tornou-se no maior produtor de açúcar em todo mundo, mas isso acabou logo devido a ascensão da concorrência brasileira e as rebeliões locais, que levaram a um declínio econômico.

Como consequência, São Tomé e Príncipe pararam de ser utilizados para a cultivação de açúcar e começaram a ser usados como um “armazém” para o comércio português de escravos para o Brasil. Além disso, os ilhéus eram responsáveis por preparar alimentos para os navios que iam partir e para eles mesmos.

No século XIX, São Tomé tornou-se de novo o centro econômico devido ao Brasil obter a independência em 1822, à supressão do comércio de escravos e à introdução do café e de cacau. Durante as primeiras décadas do XX século, o país chegou a ser o maior produtor de mercadoria do mundo.

Como é que ganharam a independência?

Após a Primeira Guerra Mundial, a produção de cacau foi drasticamente reduzida, o que deixou as ilhas isoladas e conhecidas pela violência e corrupção. Esses dois fatores levaram, em 1953, ao Massacre de Batepá, que representou a tentativa de forçar os nativos de São Tomé e Príncipe a trabalharem como contratados nas roças.

Esse evento foi usado mais tarde como uma prova da violência portuguesa porque as condições com as quais a população nativa lidava eram terríveis. Como consequência, formou-se o Movimento para a Libertação de São Tomé e Príncipe, no final da década de 1950, e em 1975 o controle português sobre São Tomé e Príncipe foi abolido.

Um fator que fez favorável o ganho da independência foi a situação instável que Portugal enfrentava depois da Revolução dos Cravos, que aconteceu em 1974, e depois da queda do regime ditatorial. Perdendo o controle sobre São Tomé e Príncipe, a maioria dos portugueses que estavam nas ilhas fugiram para Portugal.

Caso queiras mais informações sobre a Revolução dos Cravos, lê este artigo para ver mais detalhes sobre esse evento histórico.

A vida após a independência          

Após a independência, o primeiro presidente de São Tomé e Príncipe foi Manuel Pinto da Costa e foi  implementado o regime socialista de partido único. Contudo, em 1985 começou um processo de liberalização devido a um declínio econômico e à insatisfação popular. A consequência desse processo de liberalização foi que em 1990 adotou-se uma nova constituição que levou à instituição do pluripartidarismo.

Em 1991 um novo presidente foi eleito, o Miguel Trovoada, mas o seu governo foi cheio de vicissitudes e assim também foi o governo do próximo presidente, o Fradique de Menezes, que foi proibido de ter um terceiro mandato como presidente. Atualmente, o presidente de São Tomé e Príncipe é Evaristo do Espírito Santo Carvalho, desde 2016.

A história de São Tomé e Príncipe é sem dúvida maravilhosa, mas uma outra coisa muito impressionante deste país são as paisagens. Apesar da história e cultura, São Tomé e Príncipe tem destinos turísticos maravilhosos para oferecer como Pico Cão Grande, Parque Natural Ôbo, Praia Lagarto, Praia das Bananas, Ilhéu Bombom e Pico Papagaio.

Referências:

 841 total views,  1 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.