Dia D – A Batalha da Normandia, dia em que Europa foi livre (6 de junho de 1944)

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Dia D, Batalha da Normandia
Foto: pixabay
Sem o sacrifício e os planos feitos para a invasão que ocorreu na Batalha da Normandia, também conocida como o Dia D, as forças aliadas nunca derrotariam os nazistas e incitar a Europa. A Batalha da Normandia, que ocorreu entre junho de 1944 e agosto de 1944, resultou na liberação da Europa, o momento pelo qual todos os habitantes dos países ocupados pelos nazistas esperaram por tanto tempo. A partir de 6 de junho, a batalha, que mais tarde seria conhecida por Dia D, começou com 156.000 forças americanas, britânicas e canadenses, desembarcando nas praias da Normandia. Antes desse momento importante, houve outra tentativa de desembarque na praia de Dunquerque, mas sem sucesso.

 

A Batalha da Normandia, que ocorreu entre junho de 1944 e agosto de 1944, resultou na liberação da Europa, o momento pelo qual todos os habitantes dos países ocupados pelos nazistas esperaram por tanto tempo. No dia 6 de junho de 1944, mais de 156.000 soldados americanos, britânicos e canadenses desembarcaram na Normandia e começaram a batalha mais importante  da Segunda Guerra Mundial.

Preparação para o Dia D

Após a invasão da Polónia no 1 de setembro de 1939, que também marcou o início da Guerra Mundial II, os nazistas invadiram e ocuparam o território da França no início de maio de 1940. Era o momento em que as intenções de Hitler eram claras:

  • ocupar a maioria dos países da Europa;
  • deportar a comunidade judaica que estava vivendo e tentar conquistar a União Soviética.

Nesta altura, os Estados Unidos não estavam envolvidos na guerra. As forças aliadas sabiam o que Hitler planeava com o seu Terceiro Reich e, por isso, começaram a elaborar um plano para derrotar a Alemanha.

Os americanos entraram em guerra em dezembro de 1941, depois que o Japão os atacou em Pearl Harbour. Em 1942, os americanos e as tropas britânicas consideraram necessária uma invasão em toda a Europa ocupada. Eles queriam usar o Canal da Mancha como uma forma estratégica de entrar na Europa.

Hitler sabia que uma invasão estava planejada e que perderia a guerra, por isso nomeou Erwin Rommel como responsável pelas operações de defesa na região, apesar de as forças alemãs não saberem bem onde os Aliados iam atacar. Hitler também se certificou de que Rommel começaria a construção da chamada Muralha do Atlântico, uma fortificação de 2.400 metros feita de minas terrestres ou obstáculos de água.

Em janeiro de 1944, Dwight Eisenhower foi nomeado comandante da Operação Overlord. Meses e semanas antes do Dia D, as Forças Aliadas realizaram uma missão enganosa, a fim de confundir as forças alemãs. Desta forma, os nazistas estavam certos de que as Forças Aliadas atacariam em Pas-de-Calais, o ponto mais estreito entre a Inglaterra e a França.

Os alemães também pensaram em outros locais onde o ataque poderia ter ocorrido, como a Noruega ou outros países do norte. As Forças Aliadas usaram diferentes táticas em sua missão, como equipamentos falsos, um exército fantasma comandado por George Patton, agentes duplos ou transmissões de rádio fraudulentas.

Dia D – Atraso meteorológico 5 de junho 1944

As Forças Aliadas escolheram o dia 5 de junho de 1944 como o dia da liberação. Mas por causa das más condições do tempo, a data foi adiada com quase 24 horas. Na manhã de 5 de junho de 1944, depois que o meteorologista previu melhores condições para o dia seguinte, Eisenhower tomou a decisão de que a operação deveria ser no início da manhã, no dia seguinte, 6 de junho de 1944. Ele começava, assim, o plano chamado Operação Overlord e dizia às suas tropas:

Você está prestes a embarcar na Grande Cruzada, para a qual temos prosperado por tantos meses. Os olhos do mundo estão sobre você.

Mais tarde naquele dia, mais de 5.000 tropas e embarcações de desembarque transportando tropas e fornecedores deixaram a Inglaterra para a viagem através do Canal da Mancha, para a França.

Desembarques do Dia D – 6 de junho de 1944

Na manhã de 6 de junho de 1944, milhares de tropas já haviam desembarcado atrás das linhas inimigas, certificando-se de que ocupariam as pontes e as estradas de saída. A invasão começou às 6h30 de manhã. As tropas britânicas e canadenses capturaram praias conhecidas sob o código de Juno, Ouro e Espada.

Os americanos conseguiram chegar rapidamente a Utah Beach. As forças dos EUA enfrentaram uma defesa pesada na praia de Omaha, onde tiveram quase 2.000 baixas. Apesar das perdas, no final do dia quase 156.000 soldados conquistaram as praias da Normandia. De acordo com diferentes estimativas feitas na época, cerca de 4.000 soldados aliados perderam a vida durante a invasão do Dia D, com mais de mil feridos ou desaparecidos.

No 11 de junho, as praias estavam totalmente seguras e mais de 326.000 soldados, mais de 50.000 veículos e outras 100.000 toneladas de equipamentos haviam desembarcado na Normandia. No início, Hitler recusou a enviar divisões que defenderiam na Normandia, porque acreditava que outro ataque estava sendo planejado no rio Sena, no norte. As forças aliadas ocuparam as pontes, apenas fizeram com que as forças alemãs fossem atrasadas para a sua própria defesa. No final de junho, os Aliados tomaram o porto de Cherbourg e estavam determinados a continuar sua marcha por toda a França.

 

 

Dia D – Vitória na Normandia

No final de Agosto de 1944, os Aliados chegaram ao rio Sena, libertaram Paris e retiraram as forças alemãs da França ocupada, tendo terminado a Batalha da Normandia. Os Aliados preparavam-se para entrar na Alemanha, onde se encontrariam com as tropas soviéticas, em Berlim.

A invasão da Normandia começa a ser um fato negativo para as forças alemãs.

Na primavera seguinte, em 8 de maio de 1945, a Alemanha aceitou e se rendeu à frente dos Aliados. Hittler cometeu suicídio uma semana antes, no seu bunker, ao lado de sua esposa Eva Braun, Joseph Goebbles com sua esposa e seus seis filhos. Até hoje, a sua morte permanece um mistério total.

Hitler é acreditado ter sobrevivido e funcionar na Argentina, para encontrar o abrigo como quase todos os oficiais nazis anteriores. Joseph Goebbles, com sua esposa e 6 filhos, foi enterrado em algum lugar na Alemanha. Seus corpos foram encontrados em 1970 e queimados. Suas cinzas foram então espalhadas através do rio Elba.

Aqui estão alguns fatos importantes sobre a invasão das forças aliadas.

1. Dia-D: O “D” no Dia-D não significa nada

Apesar do V-E Day, que significa “Vitória na Europa” e V-J Day, que significa “Vitória sobre o Japão”, o “D” de “D-Day” não representa algo”. Os militares dos EUA talvez tenham usado o termo “Dia D” para indicar que uma missão secreta  ocorreria . A escolha desta denominação foi feita para enganar qualquer espião e para  apontar que uma determinada data foi escolhida.

2. A invasão do Dia D levou anos de planejamento

Franklin Roosevelt e Winston Churchill sabiam desde o início que uma importante invasão era necessária para evitar qualquer tensão do exército soviético, enquanto lutavam contra os nazistas no leste. Um plano chamado “Operação Marreta” exigia a presença de aliados no noroeste da França no início de 1943, mas Roosevelt e Churchill decidiram  invadir primeiramente o norte da África e, depois disso, chegar ao Continente Europeu, por meio da Itália.

3. O Dia D foi a maior invasão da história militar

A invasão, conhecida também como “Operação Overlord”, combinou as forças de 156.115 soldados americanos, britânicos e canadenses, 6.939 navios e navios de desembarque e quase 2.395 aeronaves e 867 planadores que trouxeram tropas do Iraque.

4. As forças aliadas realizaram uma campanha de decepção em massa antes do Dia D

A ideia principal das forças aliadas era enganar os nazistas, fazendo com que acreditassem que iam atacar a região de Pas-de-Calais, França. Eles usaram transmissões de rádio falsas, agentes duplos e, até mesmo, um exército falso, comandado pelo General George Patton.

5. Alemanha defendeu a costa da França

Antecipando o ataque das Forças Aliadas, Adolf Hitler nomeou o marechal Erwin Rommel e encarregou-o de comandar a defesa da costa francesa. Em 1943, Rommel concluiu a construção da “Muralha do Atlântico”, um complexo com casamatas, minas terrestres e obstáculos de areia e água. Diz-se que quase 4 milhões de minas terrestres foram plantadas ao longo da praia.

6. Mau tempo atrasa a invasão

As tropas estavam prontas para começar a invasão em maio, mas as más condições do tempo atrasaram o início da missão. Em 5 de junho de 1944, o General Dwight D.

Eisenhower decidiu que a invasão deveria ocorrer no dia seguinte, já que o tempo ainda estava ruim e os aviões alemães estavam no chão.

7. Todas as praias foram libertadas pelas forças aliadas até o dia 11 de junho

Dentro de cinco dias após a invasão, as tropas começaram a construir dois portos maciços. Eles descarregaram aproximadamente 2.500.000 homens, 500.000 veículos e 4.000.000 toneladas de suprimentos, o suficiente para os restantes dias de guerra.

8. Dia D: a invasão marcou um ponto de viragem na guerra

As Forças Aliadas perderam quase 4.413 pessoas nas praias da Normandia. A Batalha da Normandia marcou quase 226.000 derrotas. Este foi o início de um fim. Quase um ano depois, em 7 de maio de 1945, a Alemanha assinou uma rendição incondicional frente ao exército soviético e das Forças Aliadas. Este foi o momento em que a Europa voltou a compreender o conceito de “liberdade”. As pessoas já não tinham mais que  esconder-se. As pessoas foram capazes de gritar novamente: “Eu sou livre”.

Qual é a tua opinião sobre o Dia D? Deixa o teu comentário.

  • Se estiveres interessado na história, aqui está um artigo muito interessante sobre a comparação entre a pandemia da COVID-19 e a Gripe Espanhola.

Fontes do contexto:

 833 total views,  3 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.